fbpx

30 Jun 2020(Português) Trabalho análogo ao escravo: a realidade social e moral que não queremos ver


(Português) Nos últimos anos tenho ouvido regularmente relatos sobre o trabalho análogo ao escravo no Brasil. Assim como os de violência doméstica, esses relatos têm me ajudando a compreender a realidade social e moral da nossa sociedade. Retirando de mim o véu que evitava que enxergasse que fatos dessa natureza aconteciam não só nos confins deste país desigual.

Leia mais

09 Jun 2020(Português) Ceder é do feminino?


(Português) Boa parte de nós, mulheres latinas acima de 40 anos, carregamos a crença de que amar significa, de certa forma, atender e ficar à disposição do nosso amor. Seja talvez, pela noção distorcida de autoridade que algumas mulheres têm em relação aos homens – e por isso o tratam com um certo receio de desobedecer –, ou talvez, seja pela noção de que o homem é um ser com uma certa fragilidade, e portanto, não devemos magoá-los nem contrariá-los. Podemos dizer que, no fim, é comum as mulheres, especialmente as que estão na faixa acima de 40 anos, irem acomodando suas vidas ao redor do seu amor, entanto é incomum o homem fazer o mesmo.

Leia mais

22 May 2020(Português) Demissão de mulheres após a licença-maternidade: de que lado você está?


(Português) Tem algumas decisões que tem um cunho moral independente de sua sustentação racional. Manter o emprego de mulheres que voltam da licença maternidade é uma delas. Quando leio matérias ao respeito é comum encontrar nelas dados que apontam um alto índice de demissões após o período legal de impedimento de demissão ou pressão para que as próprias mulheres a peçam. Ao retratar a realidade das mulheres nessas condições, as matérias costumam trazer uma lista de fatores favoráveis para a manutenção delas nas empresas.

Leia mais

10 Apr 2020(Português) Empresas e executivos cidadãos


(Português) Tenho escrito alguns posts pensando nas mulheres executivas. Neste texto decidi ampliar o foco porque o momento é de reflexão e de fazer escolhas. Tanto no nosso microcosmo como em nossa sociedade. E essa avaliação também recai sobre o lugar ao qual dedicamos nossos esforços profissionais. O lugar de onde obtemos nosso sustento e que contribui fortemente a formatar nossa visão de mundo. Queiramos ou não, as culturas da empresa em que atuamos e o setor ao qual ela pertencer vão nos moldando, mesmo sem percebermos. Por isso a pergunta: como sua empresa atua em períodos confusos, como esse da pandemia Covid-19? Como age com seu público interno – você e seu colegas – e a sociedade? Belo momento para avaliar os valores que de fato regem a sua corporação. Em épocas como a que estamos vivendo, nada fala mais sobre valores e cultura organizacional do que as ações.

Leia mais

31 Mar 2020(Português) O valor do trabalho que transmitimos aos nossos filhos


(Português) Logo no início do avanço da Covid-19 em São Paulo, dispensamos nosso braço direito e funcionária do nosso lar para evitar expô-la e nos expor desnecessariamente. Isso fez com que iniciássemos uma rotina – ou pelo menos começássemos a criá-la – de organização e limpeza para evitar acúmulos e sujeiras. Ao mesmo tempo, decidi que iria organizar armários e arquivos. Fazer uma bela limpeza, jogar fora papéis e objetos que não tivessem mais valor. A final, teria mais tempo livre.  Ledo engano. Estou trabalhando mais do que antes e meus dias andam bem cheios e cansativos. O que me fez pensar em minha própria atitude perante o meu lar.

Leia mais

24 Mar 2020Ficando em casa e fazendo as escolhas certas


(Português) O sonho de ficar em casa à toa ou fazer home office sem trocar o pijama se concretizou. A pandemia do COVID-19, mais conhecido como Novo Coronavírus, tornou isso realidade.  Ao acompanhar o desenrolar do dia a dia dessa pandemia e tomando consciência da gravidade dela, não tenho como evitar pensar em como deverá estar sendo a convivência de casais entre quatro paredes sem opção de fugir ou se distrair.

Leia mais

19 Mar 2020(Português) Mães executivas e o retorno ao trabalho


(Português) Em primeiro lugar, devemos entender que o lar é uma centrífuga que se você não cuidar, será consumida inteira, e sobrará de você, somente bagaço. E aqui nem estou ainda falando do bebê e de crianças. Só da casa. Trabalho em casa desde 2008 quando decidi fechar o escritório para ter mais tranquilidade para minhas pesquisas. Ficar em casa é uma constante abertura de visão. Exatamente o contrário ao foco, tão valorizado no ambiente corporativo. Você pode ser organizada – aliás você deve – mas a casa tem vida própria.  Você está concentrada quando de repente vê uma enérgica fileira de formigas que organizadas militarmente, estão acabando com as folhas de tuas plantas. Você pode ignorar e depois passar no supermercado de plantas e comprar outra, ou você para tudo e vai lidar com elas.

Leia mais

13 Mar 2020(Português) Mulheres executivas e a maternidade


(Português) O mundo corporativo valoriza a praticidade. Essa valorização foi crescendo na medida que a complexidade dos negócios aumentou, quando a dinâmica da globalização atingiu nosso microcosmo e a busca por lucro aumentou exponencialmente. Precisamos fazer mais com menos. Não dá tempo para se deter em todos os detalhes nem sofrer com as perdas que implica toda escolha (ou se sofrer, aprendemos a que não se torne uma doença na nossa alma). Vamos escolher pelo melhor ou pelo menos pior. Rápido.

Leia mais

24 Sep 2019(Português) A gente se acostuma a viver a vida tal qual está aí, não é mesmo?


(Português) Conversando com um amigo que acabou um casamento de dezesseis anos, pergunte há quanto tempo estava indo mal a relação. A resposta me chamou a atenção: “A relação ia mal. Só que a gente se acostuma e nem sequer se dá conta de que está ruim”. A fala do meu amigo me tocou profundamente numa semana que venho refletindo sobre nossa participação cívica (veja meu último post, “O Silêncio do Cidadão do Bem”). Me fez pensar no quanto a gente se acostuma com as coisas, sem questionar se estão certas ou erradas, se são boas ou ruins, ou, se poderiam ser melhores.

Leia mais

10 Sep 2019(Português) Relações familiares. Quem diz que são entre iguais?


(Português) Comentando com uns amigos sobre a última viagem em família que acabamos de realizar, ouvi o comentário: “viagem em família sempre acaba mal”. Creio que essa afirmação faz sentido por alguns motivos: em toda família há mágoas e ressentimentos. Sentimentos gerados, na grande maioria das vezes, pela expectativa de ações que esperamos que os outros façam. Acredito que há muita fantasia – o que considero bom – e ilusão – o que considero ruim – ao redor do significado de família na nossa sociedade.

Leia mais
(Português) Receba nossa newsletter

Nome

E-mail

Últimos posts

Instagram

Instagram has returned invalid data.

Seguir!

(Português) Baixar os Movimentos Humanos

Nome*

E-mail*

Idade

Gênero