fbpx

31 Mar(Português) O valor do trabalho que transmitimos aos nossos filhos


(Português) Logo no início do avanço da Covid-19 em São Paulo, dispensamos nosso braço direito e funcionária do nosso lar para evitar expô-la e nos expor desnecessariamente. Isso fez com que iniciássemos uma rotina – ou pelo menos começássemos a criá-la – de organização e limpeza para evitar acúmulos e sujeiras. Ao mesmo tempo, decidi que iria organizar armários e arquivos. Fazer uma bela limpeza, jogar fora papéis e objetos que não tivessem mais valor. A final, teria mais tempo livre.  Ledo engano. Estou trabalhando mais do que antes e meus dias andam bem cheios e cansativos. O que me fez pensar em minha própria atitude perante o meu lar.

Leia mais

24 MarFicando em casa e fazendo as escolhas certas


(Português) O sonho de ficar em casa à toa ou fazer home office sem trocar o pijama se concretizou. A pandemia do COVID-19, mais conhecido como Novo Coronavírus, tornou isso realidade.  Ao acompanhar o desenrolar do dia a dia dessa pandemia e tomando consciência da gravidade dela, não tenho como evitar pensar em como deverá estar sendo a convivência de casais entre quatro paredes sem opção de fugir ou se distrair.

Leia mais

19 Mar(Português) Mães executivas e o retorno ao trabalho


(Português) Em primeiro lugar, devemos entender que o lar é uma centrífuga que se você não cuidar, será consumida inteira, e sobrará de você, somente bagaço. E aqui nem estou ainda falando do bebê e de crianças. Só da casa. Trabalho em casa desde 2008 quando decidi fechar o escritório para ter mais tranquilidade para minhas pesquisas. Ficar em casa é uma constante abertura de visão. Exatamente o contrário ao foco, tão valorizado no ambiente corporativo. Você pode ser organizada – aliás você deve – mas a casa tem vida própria.  Você está concentrada quando de repente vê uma enérgica fileira de formigas que organizadas militarmente, estão acabando com as folhas de tuas plantas. Você pode ignorar e depois passar no supermercado de plantas e comprar outra, ou você para tudo e vai lidar com elas.

Leia mais

13 Mar(Português) Mulheres executivas e a maternidade


(Português) O mundo corporativo valoriza a praticidade. Essa valorização foi crescendo na medida que a complexidade dos negócios aumentou, quando a dinâmica da globalização atingiu nosso microcosmo e a busca por lucro aumentou exponencialmente. Precisamos fazer mais com menos. Não dá tempo para se deter em todos os detalhes nem sofrer com as perdas que implica toda escolha (ou se sofrer, aprendemos a que não se torne uma doença na nossa alma). Vamos escolher pelo melhor ou pelo menos pior. Rápido.

Leia mais

24 Sep(Português) A gente se acostuma a viver a vida tal qual está aí, não é mesmo?


(Português) Conversando com um amigo que acabou um casamento de dezesseis anos, pergunte há quanto tempo estava indo mal a relação. A resposta me chamou a atenção: “A relação ia mal. Só que a gente se acostuma e nem sequer se dá conta de que está ruim”. A fala do meu amigo me tocou profundamente numa semana que venho refletindo sobre nossa participação cívica (veja meu último post, “O Silêncio do Cidadão do Bem”). Me fez pensar no quanto a gente se acostuma com as coisas, sem questionar se estão certas ou erradas, se são boas ou ruins, ou, se poderiam ser melhores.

Leia mais

10 Sep(Português) Relações familiares. Quem diz que são entre iguais?


(Português) Comentando com uns amigos sobre a última viagem em família que acabamos de realizar, ouvi o comentário: “viagem em família sempre acaba mal”. Creio que essa afirmação faz sentido por alguns motivos: em toda família há mágoas e ressentimentos. Sentimentos gerados, na grande maioria das vezes, pela expectativa de ações que esperamos que os outros façam. Acredito que há muita fantasia – o que considero bom – e ilusão – o que considero ruim – ao redor do significado de família na nossa sociedade.

Leia mais

14 Jan(Português) Acima de 40, bonita, inteligente, resolvida e… só


(Português) Você deve conhecer ou, quem sabe, até ser a protagonista deste texto: mulher bonita, inteligente, com boa dose de autoconhecimento. Vive com conforto, graças à luta constante para manter o mesmo padrão que insiste em cair. Madura e consciente, pensa com atenção nos cinquenta, que em poucos anos chegarão. Divorciada, tem que administrar seu tempo livre a maior parte do ano para não deixar os filhos sozinhos, especialmente em datas especiais, já que o ex-marido, mesmo com guarda compartilhada, considera que um final de semana por quinzena e pagar pensão sejam suficientes para continuar a ser pai.

Leia mais

09 SepA melhor mãe é quem fica com o filho na primeira infância ou quem trabalha fora?


Tenho ouvido bastantes mulheres discutirem a opção de se dedicarem à maternidade abrindo mão da vida profissional no período da primeira infância. O ponto em que costuma recair a conversa é que o filho é melhor criado quando a mãe se dedica quase que integral

Leia mais

26 Apr(Português) Por que insistimos em nos enganar?


(Português) O quanto queremos saber a verdade? Ao longo da minha vida fui conduzida pela crença de que as pessoas nem sempre sabiam o que estava acontecendo. De certa maneira, isso me fez ocupar o papel de quem aponta e traz à luz uma situação de forma clara. Até hoje me incomodo com a simulação – muitas vezes necessária nas relações. A diferença é que hoje aprendi que, na maioria das vezes, as pessoas não querem saber o que está acontecendo. Especialmente se é algo delicado. Difícil de lidar.

Leia mais

04 Dec(Português) Um conto de fadas reformulado: a feminista e o príncipe


(Português) Antes um conto de fadas tinha que ter uma frágil menina, de preferência, pobre e sofrida; que encontrava um lindo e forte príncipe. O príncipe podia ser um guerreiro, quase sempre solitário e triste ou ogro e grosseiro, que via sua vida transformada e iluminada pela doce e adorável donzela.

Leia mais
(Português) INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER

Nome

E-mail

Últimos posts

Instagram

  • É hoje! às 19h pelo Instagram da NB Heart 💜🧡💙
  • Estamos en un momento mundial que somos obligados a pensar sobre nuestro valores humanos. valores que conducen nuestra sociedad. Aquí en Brasil está en discusión si debemos poner más vidas en peligro para que la economía continue a girar o si aceptamos el riesgo de estar más pobres pero más gente se salva. Les invito a que reflexionemos sobre esto.
#vida #coronavirus #valores #behavior #movimentoshumanos
  • Aproveitando o momento presente de reflexões universais, vamos analisar e refletir sobre nossos valores pessoais? O que realmente nos guia?
#valores #vamosrefletir #coronavirus #behavior #movimentoshumanos
  • Para as #mães que estão em casa com os #filhos: como tem sido a divisão de tarefas por aí? Quais #valores você tem transmitido a eles nesse momento de #transformação? Te convido a refletir sobre o tema no post de hoje, lá no blog. 
#mãesefilhos #família #apoio #equidadedegênero #amor #isolamentosocial #emcasa #behavior #movimentoshumanos

Seguir!

(Português) Baixe o Projeto Uno

Nome*

E-mail*

Cargo

Idade

Gênero