Livre pensar

05 MarSentindo Lisboa: Partir & Ficar


Lisboa é uma cidade daquelas que não estava na minha lista de lugares que queria conhecer. Ouvindo tanto falar sobre a “pulsante” cidade e aproveitando uma passagem aérea com preço imperdível, viemos passar uns dias. Descobri uma cidade em reconstrução, no processo de modernização, que me deixou com aquela sensação de “ainda não é, mas será”.

Leia mais

19 FebDonata e as bolhas nas quais vivemos


Acompanhei a polêmica sobre a festa da Donata Meirelles com tristeza. Tristeza porque me toca perceber como as pessoas têm se fechado em bolhas fazendo leituras sobre as outras, com pouco ou nenhum conhecimento real. Partem, comumente, de conceitos espalhados que ajudam a gerar preconceito. Esses conceitos criam uma ideia de mundo, que a imaginação humana alimenta com detalhes, aumentando o distanciamento entre as bolhas e gerando, muitas vezes, raiva.

Leia mais

04 JanJoão de Deus e nosso desejo da perfeição


As acusações trazidas a tona sobre o médium João de Deus no fim do ano me chocaram pela gravidade: abuso sexual de mulheres e de crianças. Gravíssimo. A parte do enriquecimento não me surpreendeu por ter percebido, a única vez que estive por lá, o foco que tinha no dinheiro, toda a organização em torno do médium. A espiritualidade, como eu a conheço, está para servir e menos, bem menos, para receber. Entendo que precise sobreviver, e para isso precise de fundos.

Leia mais

19 DecQuando o real não é suficiente


Gosto do que é real. Talvez por ter vindo de uma família que gostava da fantasia, e em alguns casos, da ilusão. Como contraponto sempre apontava o que era irreal. Claro que isso gerava desconforto. Para quem gosta de caminhar pelas sendas da ilusão, alguém que traga a realidade é incômodo. Chato.

Leia mais

22 OctO que é a beleza na terceira idade para você?


Esses dias recebi um elogio que me fez feliz e, claro, me fez pensar sobre a lógica que eu tenho sobre a beleza. Meu marido e eu estávamos falando sobre idade – nossas – e seus reflexos nas nossas vidas. Este tema tem nos circundado nos últimos anos, desde que chegamos à década de 50. Modificações claras e visíveis aconteceram rapidamente. Ambos somos cuidadosos com o físico e nossa aparência.  E optamos em fazer isso da forma mais natural possível. Nessa escolha, o corpo vai mostrando, gradativamente, o que é ficar mais velho sem grandes artificialidades.

Leia mais

10 OctOs hippies e os muros da normalidade


Quando estive em San Francisco em 2017 tive a sorte de ver uma das melhores exposições – pelo conteúdo, experiência proporcionada e storytelling – que vi nos últimos anos. Summer of Love Experience: Art, Fashion and Rock and Roll me tocou profundamente e fez rever minha visão sobre os chamados hippies da década de 60.

Leia mais

02 OctDespedir-se de uma amiga


Tem coisas que não se explicam. Elas acontecem na vida da gente e simplesmente agradecemos. Foi assim com a Carmen, que eu batizei de Carmencita logo que a conheci. Ela entrou na minha vida há pelo menos vinte e seis anos, numa simples reunião de  jovens empreendedores em Curitiba. Lembro da presença dela. Lembro do olhar tímido apesar do sorriso largo. Lembro da sua beleza. Ela estava ali, querendo não estar. Carmencita nunca gostou do networking pelo networking. Ela realmente se importava com as pessoas. E com isso, conquistava amigos e negócios.

Leia mais

26 SepO caos causado pelos extremos: uma reflexão pré-eleições


Quando vi a foto da Primeira Ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardem, com seu bebê de 3 meses na Assembleia da ONU tive duas reações quase simultâneas: a primeira, alegria de ver uma mulher que deseja subir na carreira e poder fazê-lo sem ter que ficar longe de seu filho muito tempo, se assim o quiser. A segunda, preocupação sobre o quê os extremistas de plantão, para ambos lados da corda bamba em que nos encontramos, iriam fazer com essa imagem para incendiar mais o ambiente político do país.

Leia mais

03 SepO Museu Nacional e o canto das sereias do mar


Dizem que quem mora no litoral é encantado pelos cantos das sereias do mar. Essa pode ser uma das explicações para o torpor do Rio do Janeiro. Uma cidade que sai da euforia para a depressão com facilidade surpreendente. Difícil encontrar o Rio sereno, equânime, lúcido. Nessa gangorra emocional as melhores e as piores coisas costumam acontecer por lá.

Leia mais

28 AugVale insistir em uma relação que não tem futuro?


Lembro de um amigo me contando uma recente viagem que ele fez com uma pessoa com quem estava saindo. Era uma relação que vinha acontecendo há alguns meses. Sem grandes compromissos assumidos, a relação se mantinha em grande parte devido à utilidade que tinha para meu amigo. Morando fora de São Paulo e vindo para a cidade semanalmente, a relação fazia com que sua estadia fosse menos solitária. Especialmente nas noites que não arranjava companhia melhor.

Leia mais