fbpx
Inscreva-se em nossa newsletter

Instagram @nanybilate

  • Ontem, mais uma vez, assistimos a apresentação de dança das nossas meninas. Orgulho e felicidade por participar de perto do desenvolvimento delas. Como meu marido disse ontem, não basta ser tio, tem que ser garçom, carregador de sacolas, torcida organizada e muito mais. 🌸🏵️❤️
  • Um dos meus amores 🧡
  • Esta semana escrevi sobre a #decisão em ter ou não #filhos pela qual toda mulher passa em algum momento. Parece que, quanto mais tarde, mais pressão.  Apesar disso, reforço: a escolha é nossa! E só nossa! O link para o texto está na bio aqui do Instagram. 
#maternidade #gravidez #sociedade #behavior #movimentoshumanos #escolhas #essência #proposito #vida #carreira #felicidade #madrasta #paisefilhos
  • Símbolo da #resistência, minha homenagem a ele nesta semana. #DiaInternacionaldoNelsonMandela #18dejulho #luta #gloria #behavior #movimentoshumanos #batalhas #liberdade #amor #madiba #nelsonmandela #sobreliberdade #alma #essência #vida #felicidade

Seguir!

Baixe o Projeto Uno

* obrigatório
Gênero

11 JunLiberdade sexual. Avançamos na forma e não nos cuidados


Soube sobre a acusação de estupro que Neymar sofreu a semana passada aos poucos. À medida que ia me inteirando do assunto fui notando como as pessoas e eu mesma, víamos o caso. Interessante perceber, em primeiro lugar, qual o julgamento feito sobre o comportamento feminino e o masculino, em relação a um encontro casual, com sexo envolvido.

Leia mais

09 AprAgora as empresas só querem mulheres. Isso é equidade de gênero?


Ouvindo um amigo me contar da recente situação em que foi preterido num projeto por não ser mulher, e notando sua real indignação; pensava como é difícil, mesmo para pessoas com bom nível cultural, compreender positivamente, o momento de transição que estamos atravessando. Especialmente, se esse momento, bate na sua porta, com cara de prejuízo.

Leia mais

19 MarAs tragédias de Suzano e Nova Zelândia e nossa moral


Soube sobre a tragédia ocorrida na escola de Suzano, São Paulo, enquanto estava em Barcelona. Quando estou de férias, costumo ficar com certo distanciamento das notícias. Leio pouco os feeds nas minhas redes sociais. Minha intenção é estar o mais inteira possível onde estou.  Absorvendo, o máximo possível, toda a cultura e experiência do local. Faço uma viagem dentro da viagem. Foi assim que fui impactada pela notícia– seguida do massacre de Nova Zelândia. Creio que a beleza e suavidade de Barcelona ajudaram a assimilar tanta violência e sofrimento. Ajudaram a refletir sobre os fatos com um certo isolamento.

Leia mais

26 FebAs narrativas e o mundo que acreditamos


Fala-se muito em narrativa hoje em dia. Palavra técnica, que como muitas, caiu na fala coloquial de pessoas que se interessam pelo entendimento do comportamento social. Fundamental o entendimento do que é uma narrativa, para aumentar nossa capacidade de discernimento sobre os fatos.

Leia mais

23 JanA pluralidade no Sx e o Amor


Passei parte dos meus últimos dias assistindo o documentário Sexo e Amor pelo mundo da CNN. O documentário, sob o comando da jornalista Christiane Amanpour (disponível no Netflix), apresenta como são vistos e tratados o Sexo e o Amor em cidades culturalmente distante entre si. Embora ainda não vi todos os episódios, dá para ver que este documentário é uma bela oportunidade para entender o que são crenças e valores na prática, e, como, de fato, moldam nossa noção de realidade. Notar como as crenças, e os valores que elas suportam, fazem toda a diferença na visão de mundo que as pessoas têm sobre os mesmos temas. É o que faz o mundo ser plural.

Leia mais

05 DecO conforto da alienação ou a inquietação de agir no mundo?


Busquei iniciar as entrevistas do Projeto Uno logo após as eleições para captar o mais próximo possível o espírito das pessoas. Saber como o ambiente tóxico das eleições tinha tocado pessoas comuns. O quanto esse ambiente tinha influenciado sua visão de mundo. Especialmente no que se refere à identidade feminina e masculina. Centro dos meus estudos. Devo confessar que esperava encontrar pessoas com alto grau de agressividade. Algumas felizes pelo resultado e a fim da dar o troco pelos anos petistas; outras tristes e raivosas torcendo para que dê tudo errado. Ledo engano. O que tenho encontrado são características fortes nos brasileiros: delicadeza e desejo de paz.

Leia mais

27 NovAs máscaras que ocultamos até de nós mesmos


Aprendemos desde cedo a colocar máscaras para lidar com o mundo. Nossos pais nos ensinam que não devemos expressar tudo o que pensamos e queremos dizer.  De certa forma, vamos aos poucos aprendendo a calar e mentir. Comportamentos que assumimos benéficos e corretos para morar em sociedade. Com o tempo, desenvolvemos também o traquejo social que vai criando nossa persona – personalidade que usamos para nos apresentar socialmente – a qual ativamos assim que colocamos o pé fora de casa. Costumamos ter várias personas. Cada uma adequada a cada núcleo social. Todas unidas a uma persona principal para representarem o mesmo ser humano com diversas facetas.

Leia mais

22 OctSeguindo em frente


Há alguns dias ouvi o Ricardo Jung falar sobre o período pós eleitoral. Com sabedoria e conhecimento, ele foi trazendo racionalidade ao momento quase histérico que tomou conta do país nas últimas semanas antes das eleições. Como ele mesmo disse, fomos todos levados a um estado de irracionalidade, onde o medo se tornou latente. Tudo graças às táticas eleitoreiras que tiveram como foco polarizar a discussão. Em ambiente polarizado, argumentos racionais e propostas estruturadas costumam ter menos apelo. Ataques e defesas costumam ser melhor notados.

Leia mais

18 SepOs inevitáveis traços de racismos dentro de nós


Durante um longo e prazeroso almoço o tema do racismo surgiu após discutirmos que o ambiente politicamente correto estava tornando tudo muito chato. Segundo alguns, havia um exagero. Não é a primeira vez que ouço esse tipo de comentário. Sim, acredito que em alguns casos possa haver exagero. E mesmo assim, considero que ele seja vital.

Leia mais

17 AprA riqueza da não forma


Quando os primeiros Movimentos Humanos começaram a tomar forma nas minhas análises de pesquisa, fiquei entusiasmada com a possibilidade de observar novas formas sociais sendo criadas. Comecei a ver, por exemplo, como o homem ia tomando contato com sua sensibilidade, alterando seu aspiracional masculino. A esse processo e tudo o que isso implica, chamei do Movimento Humano O Homem Sensível. Vi também como o desejo de viver um amor romântico-companheiro que a mulher e o homem tinham, mesmo que nem sempre ousassem confessar, tinha se tornado uma realidade. Chamei essa forma de Movimento Humano A Volta do Amor.

Leia mais