fbpx
Inscreva-se em nossa newsletter

Instagram @nanybilate

  • Um dos meus amores 🧡
  • Esta semana escrevi sobre a #decisão em ter ou não #filhos pela qual toda mulher passa em algum momento. Parece que, quanto mais tarde, mais pressão.  Apesar disso, reforço: a escolha é nossa! E só nossa! O link para o texto está na bio aqui do Instagram. 
#maternidade #gravidez #sociedade #behavior #movimentoshumanos #escolhas #essência #proposito #vida #carreira #felicidade #madrasta #paisefilhos
  • Símbolo da #resistência, minha homenagem a ele nesta semana. #DiaInternacionaldoNelsonMandela #18dejulho #luta #gloria #behavior #movimentoshumanos #batalhas #liberdade #amor #madiba #nelsonmandela #sobreliberdade #alma #essência #vida #felicidade
  • Hoje se celebra o dia de Nelson Mandela. Segundo o texto da Obama Foundation ( @obamafoundation ) que recebi, ele acreditava que esse dia não devia ser um feriado, e sim "um dia dedicado ao Servir".
A auto-biografia do Mandela foi um dos livros que mais me tocou. Continuo lendo textos dele e livros sobre ele. Ele me inspira e desafia, principalmente, a perdoar qualquer injustiças que possa ter sofrido, e tomar minhas decisões olhando para as futuras gerações.
#mandeladay #behavior #movimentoshumanos

Seguir!

Baixe o Projeto Uno

* obrigatório
Gênero

16 JulA pressão social para que tenhamos filhos


Quem é mulher, passou dos trinta anos e está num relacionamento sério ou mesmo solteira, deve estar sentindo a pressão social para ter filhos. Construímos, sem dúvida, uma sociedade com fortes traços individualistas. Com tudo de bom e tudo de ruim que isso significa. Um dos pontos positivos dessa sociedade que construímos – e provavelmente um dos motivos pelo qual lutamos por mais individualismo – é focar nossa atenção naquilo que realmente queremos. Nos permite maior liberdade de escolha. O que não impede que carreguemos o peso da cobrança familiar e social para cumprir o ciclo previsto de todo adulto: casar e ter filhos. De preferência, nessa ordem.

Leia mais

02 JulFamília & Casamentos. Ampliando a roda de aprendizados


Dias desses fui convidada para ser a ceremonialista num casamento. São amigos queridos que acompanho desde que se conheceram. Escolhi falar sobre três pontos: amor e relacionamento – algo que, para mim, como tenho escrito por aqui, são coisas diferentes; o significado de celebrarmos um casamento – o compromisso que se assume perante o grupo social selecionado para estar presente; e por último, os elos que se criam ao unir dois seres humanos, ampliando os elos familiares. É sobre este último item que escrevo esta semana para refletirmos juntos.

Leia mais

25 JunCinquentões e o valor da maturidade


Como ser uma pessoa de mais de cinquenta anos num país que valoriza a juventude? E quando falo juventude, me refiro a jovem, bem jovem. Tanto no espírito como no aspecto físico. Esse traço cultural é fácil de compreender quando se sabe que o Brasil, é um país preponderantemente jovem. Como tempo de história que tem como país, e, como idade média da sua população (no último censo do IBGE, mais da metade da população brasileira tinha até vinte e cinco anos).

Leia mais

18 JunSucesso, dinheiro e liberdade. Será que eles convivem bem?


Perguntar como vão os sonhos ao brasileiro, mesmo em época de crise, ajuda a compreender como veem o futuro e quais valores os estão guiando. Entra crise, sai crise, o que continua imbatível é o desejo por liberdade. Em época de crise, o sonho pela liberdade, vira uma queixa constante pela percepção da falta. Em época de bonança, parece ser o sonho que guia o futuro.

Leia mais

11 JunLiberdade sexual. Avançamos na forma e não nos cuidados


Soube sobre a acusação de estupro que Neymar sofreu a semana passada aos poucos. À medida que ia me inteirando do assunto fui notando como as pessoas e eu mesma, víamos o caso. Interessante perceber, em primeiro lugar, qual o julgamento feito sobre o comportamento feminino e o masculino, em relação a um encontro casual, com sexo envolvido.

Leia mais

04 JunA solidão das mulheres que investiram em autoconhecimento


Há mais de três décadas que frequento cursos, seminários, congressos, eventos, palestras e grupos de discussão sobre os temas mais diversos. Mesmo que os temas versem sobre o amplo mundo das ciências humanas, posso afirmar que nesses anos todos, a maioria dos participantes era mulher. E antes de continuar, e alguém levante dúvidas, trago aqui como fonte, o censo realizado pelo Inep, órgão do Ministério da Educação (censo de 2017): “elas são 55% dos estudantes ingressantes, 57% dos matriculados e 61% dos concluintes dos cursos de graduação. Na licenciatura, por exemplo, 70,6% das matrículas são do sexo feminino”.

Leia mais

21 MayO seguir a nossa alma e o medo de ficar só


Este texto é, de certa forma, uma continuação do texto “Por que não fazemos a mudança que nossa alma deseja?” e quem sabe, um guia para quem quer continuar compreendendo mais de si e de seu entorno. Acredito que esta sequência não planejada, que nasceu da observação dos Movimentos Humanos desde que escrevi o primeiro texto, há dois anos, pode contribuir com o entendimento para responder a mesma pergunta.

Leia mais

16 MayFracassos que não são fracassos: a lenda de Kokopelli


Conheci a lenda do Kokopelli há muitos anos. A lenda está presente em diversas culturas e mesmo com algumas variações, mantém a mesma simbologia. A que eu conheci foi contada por uma descendente de índios dos Estados Unidos.

Leia mais

01 MayAs decepções com o Homem Sensível


Existe uma estória que, com pequenas variações, é contada e bem aceita por boa parte das pessoas que se interessam sobre a equidade entre os gêneros feminino e masculino. Essa estória conta que a mulher foi à luta – incentivadas por mães sofridas que as criaram para “não depender de homem algum”. Que ela teve que enfrentar preconceitos e assédios, sejam estes diretos, indiretos ou perversamente insidiosos. 

Leia mais

23 AprOs Outsiders e as fronteiras que criamos


Hoje quando vejo pessoas chamando a atenção de forma ostensiva e grosseira num ambiente público só pelo prazer de provocar e irritar, ao invés de me incomodar, me sensibilizo. Penso na dor que causamos, como sociedade, para levar a essa atitude. A mudança de mindset se deu quando compreendi melhor o que é ser um outsider. Ou melhor, o que sente um outsider.

Leia mais